13 de Outubro de 2008

 A discussão com o Sr. Autarca começou com uma questão de direitos, mais propriamente o direito de um grupo usar um determinado equipamento desportivo autárquico.

Puxa da palavra para aqui, puxa da palavra para ali e às tantas o Sr. autarca busca da sua doutoranda sapiência e diz, à moda dos tempos da outra senhora: “eu é que mando!”.

Emocionado, perante tal salomónica decisão, e, respeitosamente de mão no peito, digo-lhe: o senhor sabe que eu jamais chamaria de filho-da-puta a uma pessoa que tem por mãe uma trabalhadora sexual, sou demasiado educado para uma canalhice dessas, mas olhe que há muitos políticos que são uns verdadeiros filhos-da puta.

É claro que a coisa deu em tribunal (até porque sou demasiado orgulhoso para pedir desculpas a quem desprezo), mas há juízes e juízes. Saiu a sentença do juiz a fazer as faces do senhor autarca corar:

“Está o réu condenado a pagar um euro de indemnização ao senhor ‘fulano de tal’.”

E olhando-me por cima dos óculos

“Lá porque ele é um filho-da puta não se pode chamar-lhe isso!”

publicado por carlos lopes às 19:42

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

4 seguidores
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
18

19
20
22
24
25

26
27
29
30
31


arquivos
2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


blogs SAPO